Mensagem da Associação Concelhia

Uma Romaria do tamanho da vida

No calendário muito especial que enquadra o correr do ano na Barca, a tradicional e secular Romaria de S. Bartolomeu constitui um momento único.

É, para os barquenses e cada vez mais para milhares de visitantes que a tomaram como sua, um irrepetível lugar de convívio, de espontaneidade, de alegria, de afirmação da pujança de uma cultura popular velha de séculos, mas que o nosso povo orgulhosamente insiste em preservar e que encontra na nossa terra, por estes dias do S. Bartolomeu, um lugar cimeiro.

É uma Festa, assim com maiúscula, do tamanho da vida! Lugar de amores, de reencontro, de afetos perenes, de retorno à pureza da infância, de regresso dos que a vida obrigou a emigrar, de alegria a rodos, de liberdade, não andasse o diabo à solta e não fossem, na euforia desses dias e noites, as regras menos rígidas.
É assim em Ponte da Barca há quase duzentos anos!

E porque a passagem do tempo não diminui, antes reforça, esse sentimento a cada ano repetido e a exigência de que a programação da Festa lhe faça justiça, é enorme a responsabilidade de meter ombros à tarefa.
Organizar o S. Bartolomeu é um orgulho maior e um aliciante desafio que só poderá ser plenamente cumprido com trabalho árduo, rigor, humildade, capacidade de ouvir quem sente e faz a nossa Romaria.

Esse foi um ponto de honra para esta Associação! Ao longo de muitas reuniões, de muitas e gratificantes horas de trabalho, quisemos ouvir, acerca dos diversos pontos do programa e da sua organização, aqueles que amam e conhecem o S. Bartolomeu, os que se entristecem e sofrem quando algo corre menos bem, os que afirmam com orgulho que não há nada igual em nenhum lado.

As rusgas, o folclore, os cantares ao desafio, os concertos, os festivais, os concursos (com destaque para o regresso do centenário concurso pecuário e desfile do gado), o desporto (com destaque para o regresso da tradicional corrida de cavalos), as sessões de fogo, a majestosa procissão, as bandas de música, os Zés Pereira, gigantones e cabeçudos, os bailes das três da manhã consubstanciam o resultado desse trabalho que, humildemente, oferecemos ao usufruto e à crítica construtiva dos milhares de conterrâneos e dos visitantes que, durante seis dias, tornam sua a nossa terra.

Maior que tudo isto será, como sempre, o que não se programa, o que surge espontâneo e a memória guardará, como as célebre rodas do Largo do Urca, os cantares improvisados, o que a euforia dita. E é tudo isto, junto, que torna esta Romaria inigualável.

Para todos, umas Boas Festas de S. Bartolomeu!
PORQUE O S. BARTOLOMEU É DE TODOS!

A Associação Concelhia das Festas de S. Bartolomeu